Quem sou eu

Minha foto

Após longo tempo trabalhando com contabilidade, morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas.Lecionei inglês e alfabetizei adultos. Lia livros, na solidão do mato.Compus biblioteca tão grande (3.000 títulos) que não pude abrigar no retorno à cidade: eles ou nós. Por óbvio, ficamos nós, foram-se eles.Estudei Economia(IMES) e Arquitetura(MACK): sonhos passados.O interesse vive. Sou, todavia, apaixonada pelo Direito: o contato com o público, o estudo, o amor pela Justiça.Vivo intensa e apaixonadamente esta fase.Monitora de Direito Tributário, atuei no Poupatempo, na prestação de assistência jurídica.Graduação pela Faculdade de Direito São Bernardo do Campo (2008), pós no Damásio (bolsista do integral) e especialização em Direito Civil e Processual Civil, escrevente do Judiciário desde 2005.Pesquisadora, escritora e poetisa.Hoje também Delgado e Sanches e Membro Correspondente da ACLAC-Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ: uma cabeça só, um corpo só, mil vidas.Não sou da cidade, tampouco do campo.Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, preparando-me para um futuro melhor.Um mundo melhor.
Terei muito prazer em recebê-lo em meu espaço: questões de Direito, português, poemas, crônicas ("causos"), jardinagem e reciclagem. 
Esteja à vontade para perguntar, comentar, questionar ou criticar. 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

CASAMENTO IN EXTREMIS, IN ARTICULO MORTIS OU NUNCUPATIVO

Fundamento: artigos 1540 e 1541 do Código Civil
É o casamento de VIVA-VOZ.

NUNCUPATIVO
Tem esse nome por analogia a um testamento militar.

ARTIGO 1896 DO CÓDIGO CIVIL
Art. 1.896. As pessoas designadas no art. 1.893, estando empenhadas em combate, ou feridas, podem testar oralmente, confiando a sua última vontade a duas testemunhas.
Parágrafo único. Não terá efeito o testamento se o testador não morrer na guerra ou convalescer do ferimento.

Numa guerra, um soldado em eminente risco de morte pode fazer seu testamento a seu superior, de viva-voz, que depois será transcrito no cartório.




SE NÃO FOI FEITO O PROCESSO DE HABILITAÇÃO E O NUBENTE ESTÁ À BEIRA DA MORTE



TESTEMUNHAS

É necessária a presença de SEIS testemunhas.

Em casamento, testemunha pode ser PARENTE. Neste casamento, NÃO PODE.

Não pode ser parente, na linha reta ou colateral, até o 2º GRAU, civil, afim ou natural.

Essas testemunhas devem procurar a AUTORIDADE JUDICIÁRIA mais próxima e declarar que foram chamadas pelos noivos e que um deles estava em risco de morte, mas no seu juízo perfeito e que declarou sua intenção de se casar.

A autoridade judiciária vai encaminhar o caso ao juízo competente – família ou cível, conforme a distribuição das varas local.

Será aberto um processo, e se não houverem impedimentos e foram os nubentes capazes, o juiz homologará uma sentença, que será lançada no Cartório de Registro Civil.

O casamento será VÁLIDO DESDE o dia em que foi DECLARADA A VONTADE.

Se a pessoa morre, morre no estado civil de casada.

Se se recuperar, não precisará fazer nada. Estará casada.

No entanto, PODERÁ comparecer no cartório e RATIFICAR a sua vontade.
Nesse caso, registra-se a declaração.

ARTIGO 1.542, § 2º:

§ 2º O nubente que não estiver em iminente risco de vida poderá fazer-se representar no casamento nuncupativo.



REGIME DE BENS

Se não houverem causas que impeçam a escolha de regime, uma vez que não há pacto antenupcial, o regime é o da comunhão parcial de bens.

Nenhum comentário:

Follow by Email

Translate